Véu da noite

por Julian Stella

 

Quem sabe o que acontece ao entardecer? Mais precisamente na escuridão pós entardecer. Aqui, a nossa tela principal é a noite, o manto da escuridão onde fábulas podem ser confeccionadas e o medo infantil, aquele que habita sótãos, porões, portas entreabertas ou o indizível no escuro debaixo da cama, ganha vida. Ao anoitecer qualquer horror é re-visitado e um galho seco quando pisado pode acelerar as batidas do seu coração, um ranger de porta é motivo de acender a luz. A noite é uma simples certeza e pode lhe capturar com seu véu sedutor. As intensas luzes na margem do lago podem trazer calmaria como tudo que é calmo depois da tempestade, mas o silêncio e o austero céu sobre sua cabeça faz você repensar em estar sozinho sob o luar. É o que nos diz a foto. Em uma ótica de fantasia, esta fotografia. Retrataria uma clássica dialética do Bem contra o Mal onde a parte de baixo da foto, toda iluminada com detalhes e cores vibrantes, luta pra não ser engolida pela escuridão dominante que sintetiza a parte de cima da foto, com o céu a protagonizar o vilão deste enredo fotografado. Abandone o empirismo e deixe a imaginação te levar onde duendes, elfos e bruxas existem. Permita que a realidade e fantasia se encontrem pelo olhar mecânico da máquina, comandada por um homem, traduzindo o momento em click.

Texto: L. Maldonalle